julho 31, 2016

Depressão

 

Woman pulls pack page and reveals sunset.
Pensei muito antes de escrever e publicar esse texto porque não sou fã de muita exposição. Isso pode parecer muito irônico quando se tem um blog e se utiliza ele para compartilhar coisas sobre sua vida pessoal. Mas foi o blog que me salvou servindo de válvula de escape em um momento tão crítico.Depois de muito pensar, cheguei à conclusão de que não faria sentido omitir essa parte da minha vida, até porque compartilhar é parte importante no meu processo de crescimento e amadurecimento.

Depressão…

Em dezembro do ano passado decidi por conta própria (como inúmeras vezes antes) deixar minha medicação contra a doença.

Eu briguei comigo por 4 anos e meio, me achando auto suficiente e dona de si… Desde que meu filho partiu vivi uma montanha russa emocional sem fim. Muitas vezes quis desistir, muitas vezes quis ser mais que tudo isso, muitas vezes quis apenas deixar o tempo passar..

Mas deixar o tratamento foi de longe a pior decisão. Os meses seguintes foram o que vocês acompanharam aqui… Uma enxurrada de indecisões, uma montanha de projetos inacabados, um pouco de fotos sorrindo, umas fotos de reflexões para não perder a conexão com esse grupo tão lindo que criei. Vocês!

Nossa amizade!

Nesse tempo escuro que passei aprendi que o amor é salvação e que aceitar e pedir ajuda poder ser a única solução.

Meu marido foi a pessoa que me salvou…

Ele insistiu em me animar, insistiu em me amar, me respeitou, me compreendeu, me apoiou e me abraçou em silêncio… Me amou nos meus piores dias.

O amor dele e da Nina foram minha única respiração por longas semanas.

Tudo isso já passou. Eu estou tão bem hoje!

Mas eu descobri tanto sobre essa doença nesses meses que cresci uns 10 anos e aprendi definitivamente a respeitar o próximo de uma forma muito mais íntima.isso me fez ver quanta gente sofre calada, quanta dor é carregada em silêncio, quantos rostos no multidão estão encobertos por esse véu.

Às vezes você se depara com um péssimo atendimento na feira mas não faz idéia do que o outro carrega. Não julguemos jamais!

A sociedade não está preparada para lidar com pessoas tristes. A tristeza não é aceita. Você é excluído, a situação se agrava, você se isola, ninguém te ouve, você morre aos poucos se não tiver amor…

A gente desiste de se abrir porque sente vergonha, sente que não faz parte porque não quer sorrir. Tudo isso vai se acumulando em dias longos, apertos no peito, noites em claro, comida demais ou de menos, choros repentinos, tristeza constante.

Tudo vira uma bola de neve que só cresce.

Você se confunde, leva muito tempo para se dar conta de que está doente, leva mais tempo ainda para aceitar e é aí que, se você não tiver alguém que te ame de verdade a doença te abraça e te sufoca!

De uma maneira geral, os sintomas de depressão se confundem bastante com sintomas de outras doenças. E saber qual a diferença entre um quadro de tristeza, por exemplo, e um caso real de depressão não é a tarefa mais simples do mundo. Tristeza é uma emoção, enquanto depressão é uma doença.

Por isso a importância de pedir ajuda!

Eu tive depressão pós parto da Nina, não dividi com ninguém, fui levando a vida a minha maneira, acumulando sentimentos e buscando do meu jeito o caminho da felicidade. Ora eu conseguia andar, ora eu corria, ora eu parava.

Achei por muitos meses que jamais seria feliz de novo, mas eu sou!

Passaram-se 3 meses desde que decidi me cuidar. Tudo na minha vida mudou.

Meus sonhos voltaram a brilhar, eu comecei a enxergar o horizonte e sorrir de verdade. Eu quero viver agora!

Quando lembro dos meus dias escuros eu sinto medo. Medo de estar naquele lugar de novo e experimentar sensações tão dolorosas…

Decidi contar isso para vocês para que pudessem entender tantas ações desconexas, tantas oscilações…

Me perdoem!

Eu desejo que esse depoimento seja uma mola propulsora, que te incentive a buscar ajuda.

Não se envergonhe, não se deprecie, ainda é tempo!

Durante meu processo os livros foram grandes amigos. Em especial um título, que me fez entender o processo grudento e enlameado que é a depressão.

“O demônio do meio- dia” de Andrew Salomon

80224_gg

Se você convive com alguém que tem depressão leia essa livro também!

Com a verdade de sempre e muito carinho.

Paula Miranda


40 Comentários
Postado por Paula Miranda
  • Ghessana disse:

    Incrível! Você consegue colocar em palavras o que sinto e não consigo dizer. Os excessos, as faltas, os projetos inacabados, as dietas que vão e voltam, a insatisfação, o sorriso vazio. Obrigada por confiar sua história. :*

  • Ariane disse:

    Muito emocionante seu história é lição e exemplo de vida,você descreveu alguns sintomas que estou passando.Faz uma semana que lhe sigo no Instagram mas não tive coragem de começar o projeto #umasemanaparamudarumavida descobri que meu lado emocional que tudo que acontece em minha vida desconto na comida e acabo comendo em excesso.Acabei de ver seu vídeo no youtube achei lindo a forna como você com enorme força de vontade de querer ajudar o próximo.Continue nesse projeto porque muitas pessoas como eu precisa desse incentivo que você passa a cada dia.Muita gratidão pela sua vida,que Deus lhe abençoe cada vez mais !!!

  • Ariane disse:

    Muito emocionante seu história lição e exemplo de vida,você descreveu alguns sintomas que estou passando.Faz uma semana que lhe sigo no instagram mas não tive coragem de começar o projeto #umasemanaparamudarumavida descobri que meu lado emocional que tudo que acontece em minha vida desconto na comida e acabo comendo em excesso.Acabei de ver seu vídeo no youtube achei lindo a forna como você com enorme força de vontade de querer ajudar o próximo.Continue nesse projeto porque muitas pessoas como eu precisa desse incentivo que você passa a cada dia.Muita gratidão pela sua vida,que Deus lhe abençoe cada vez mais !!!

  • Simone disse:

    Paula, bom dia!
    Parabéns pela coragem de expor uma doença tão silenciosa e dolorida. Tb passo por isso há 4 anos. Confesso que já me peguei duvidando da doença e lutando para retirar a medicação. Já foram várias crises de abstinência 🙁 só quem já passou sabe o quanto é terrível.
    Sofro de uma TPM muito severa, mas como passei por um trauma em 2011, me deparei com essa patologia que nos destrói por dentro. Acho que no fundo eu não aceito e isso dificulta qualquer tratamento que oscila muito.
    Sempre escutei que exercícios e alimentação ajuda, mas como tirar forças para encarar uma academia, caminhada e reeducação alimentar?
    O que eu pude aprender com essa doença é que em primeiro lugar não podemos nega-la.
    Sorte e muito sucesso pra vc! Espero vencer essa fase chata que estou passando e retomar a minha vida normalmente.
    Super beijo

  • Simone disse:

    Oi Paula , já te sigo a muito tempo, e te admiro muito por sua história de vida , vc é um mulher guerreira . A anos atrás fui diadinosticada com TAG transtorno de ansiedade generalizada e depois de um tempo de tratamento me dei alta, sempre achei que eu não poderia ter esse problema ainda mais sabendo pelo que vc passou e outros fatores , mais com isso ao passar o tempo a irritabilidade aumentou , afetou meu casamento e por fim agora meu marido que está passando por isso mais está se tratando . Que já é um grande começo e ele é extremamente estressado . Temos um filho de 4 anos e agora estou passando tudo que eu poderia ter evitado não abandonando o meu tratamento. Agora estamos tentando ser feliz novamente, mais às vezes me pego angustiada , triste por medo de perder tudo que foi construído com muito amor , parceria , cumplicidade ,união . Com o seu relato vejo que preciso voltar a me tratar para ver se consigo o meu Equilibrio novamente e estar em paz com a minha família de novo principalmente pelo meu filho . Um grande beijo

  • Theodoro disse:

    Vivemos num mundo que sofrer é algo inexistente..E acabamos no sentindo fora do comum,acabamos recebendo julgamentos por estar sofrendo,ao invés de ajuda,o que só piora as coisas em uma proporção imensurável. Sofrer calada é a pior coisa..Mais mãos estendidas e menos dedos apontados..

  • Karol disse:

    Perdi meu filho em maio,e meu sonho sempre foi dirigir.Quando ele faleceu,eu havia acabado de me inscrever na autoescola,estava acabando as aulas teóricas.Fiz a prova teórica duas semanas depois,e passei. Tentei me fazer de forte o tempo todo,e começar as aulas práticas. Escondi a dor durante dois meses,chorei em silêncio o tempo todo,e realmente percebi como a dor,o sofrimento é reprimido…Escondi o tempo todo a morte do meu filho,até que meu instrutor descobriu,e desde aí tudo piorou,pois eu decidi reprimir algo que não se deve reprimir… Cheguei num dia na aula com muito esforço,e não aguentei,no meio da aula vi uma criança e comecei a chorar..Foi então que ouvi como resposta: Para de chorar! Estou aqui pra te dar aula,não quero saber dos teus problemas,procura te tratar!.. Me senti péssima,uma maluca..Mas sei que fui forte o suficiente todo o tempo,até que estourei.. Mas infelizmente no mundo de hoje,se não sorrimos e mostrarmos seres humanos roboticos e felizes o tempo todo,somos taxados de doentes..Cancelei as aulas,sumi da autoescola,não aguentei ser constrangida por minhas próprias lágrimas.. Infelizmente me fechei,choro em silêncio,escrevo tudo o que quero num caderno e guardo.. por que não temos o direito de simplesmente sermos humanos… Meu instrutor tem um filhinho,e rezo para que nada aconteça com ele,para que nunca ele conheça minha dor… Se um dia eu der a volta por cima,guardo a frase: QUE EU NUNCA SEJA TÃO FELIZ,AO PONTO DE NÃO ENCHERGAR A DOR DO OUTRO.

  • Samara disse:

    Gratidão imensa!!! ❤️

  • Fernanda Barbato disse:

    Um dia vi uma foto sobre alimentação saudável no instagram e essa foto tinha sido publicada por você. Decidi seguir. E foi aí que você publicou uma foto do seu anjo e comecei a buscar o porquê da foto e da legenda. E descobri a sua dor, a sua garra e sua força e me apaixonei pela sua história de vida e sua luta diária. E nesse tempo todo, toda vez que você se refere ao seu anjo eu choro e sinto meu coração apertado e uma vontade louca de te abraçar e te confortar de alguma maneira, então eu oro para que Deus continue te fazendo essa mulher forte que apesar de toda dor, não desiste e tenta transmitir algo positivo para seus seguidores. Confio em Deus e sei que um dia você não sentirá essa dor e sim só a saudade. Que Deus continue te abençoando e te fazendo ser essa mulher maravilhosa. Sinta-se abraçada com todo meu amor, carinho, admiração e respeito.

  • Marina Rocha disse:

    Fiquei até sem palavras!!!… ????????

Envie seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© Copyright 2014 planetapaula.com.br - Todos os direitos reservados.